Search

Filme conta a história de um dos mais emblemáticos casos aeronáuticos do Brasil, ocorrido há 35 anos

Obra retrata o drama do sequestro do boeing da VASP por um passageiro insatisfeito com a situação política no Brasil

Quinta-feira, 29 de setembro de 1988. Raimundo Nonato, um maranhense desempregado e insatisfeito com a situação sociopolítica no Brasil, embarca no voo 375 da VASP, após a aeronave, que vinha de Vila Velha com destino ao Rio de Janeiro, realizar uma escala em Belo Horizonte. Naquele momento iniciava um dos momentos mais tensos da aviação brasileira: o sequestro de um avião comercial com 110 passageiros a bordo. Parece roteiro de filme, e realmente virou. Esta narrativa, é retratada no longa O Sequestro do Voo 375. E no dia 4 de dezembro, o Cine Brasília recebe uma pré-estreia gratuita do filme em sessão única.

Sob a direção de Marcus Baldini, mesmo diretor do filme Bruna Surfistinha, o projeto foi produzido pelo Estúdio Escarlate em coprodução com a Star Original Productions. Com Danilo Grangheia e Jorge Paz nos papéis principais, como o comandante Murilo e Raimundo Nonato respectivamente, o elenco também inclui Roberta Gualda, Gabriel Godoy, César Mello, Juliana Alves, Wagner Santisteban, Arianne Botelho, Diego Montez, Claudio Jaborandy, Johnnas Oliva e Adriano Garib.

A trama conta como Raimundo Nonato Alves da Conceição, descontente com a situação política no Brasil e exausto diante da escassez de empregos e oportunidades para sua família, decide tomar medidas drásticas. Em um ato extremo, ele decide sequestrar o voo 375 da VASP, que partia de Confins, em Belo Horizonte, com destino ao Rio de Janeiro. Seu objetivo era colidir com o Palácio do Planalto e assassinar o então presidente da república, José Sarney.

Aproveitando a ausência de detectores de metais nos aeroportos e a segurança menos rigorosa em comparação aos dias atuais, ele ingressa no avião portando um revólver calibre 32. Ao longo da viagem, anuncia o sequestro para passageiros e tripulação.

Em outubro, o filme garantiu o prêmio de Melhor Roteiro na 16ª edição do Los Angeles Brazilian Film Festival (LABRFF) aos roteiristas Lusa Silvestre e Mikael de Albuquerque. Com estreia nacional programada para o dia 7 de dezembro, a pré-estreia no Cine acontece na segunda-feira, 4, às 20h30, com entrada gratuita e retirada de ingressos duas horas antes da sessão. Sujeito a lotação.

CINEBEIJOCA

Na quinta e última sessão do ano, o Cineclube Cinebeijoca apresenta Os Homens Que Eu Tive. Dirigido por Tereza Trautman, este filme é notável por ser considerado o primeiro longa-metragem dirigido por uma mulher no cinema moderno brasileiro. A exibição gratuita ocorre de forma excepcional na terça-feira, 5 de dezembro, às 19h, no Cine Brasília.

Lançada em 1973, a produção teve uma breve temporada nos cinemas, sendo rapidamente retirada de circulação devido à censura. A Ditadura Militar reprovou fortemente a perspectiva da diretora, que na época tinha apenas 22 anos, sobre o amor e a liberdade sexual feminina. A obra foi proibida por sete anos e só foi liberada em 1980, sob o título mais contido de “Os Homens e Eu”. No enredo, Pity e Dôde são casados e mantêm um relacionamento aberto. Contudo, Pity se apaixona por seu colega de trabalho, Peter, e decide viver com ele.

Com o apoio da Faculdade de Comunicação da UnB e da organização Box Cultural, a cópia do filme foi cedida pela diretora Tereza Trautman. Após a exibição, acontece um debate com a participação da pesquisadora Roberta Veiga, professora de cinema da UFMG, com mediação das cineclubistas Gabriela de Mello e Raquel Thayse Miranda.

SESSÃO ESPECIAL

No dia 1º de dezembro, o Ministério da Educação promove três sessões gratuitas, às 14h, 16h e 18h, do filme Os Esquecidos, no Cine Brasília. Destinadas ao público estudantil da rede pública do Distrito Federal e aos profissionais da educação que atuam em diferentes áreas. Após as exibições, serão realizados debates sobre os temas abordados na obra.

Os Esquecidos é um documentário que aborda a negligência histórica nos anos finais do ensino fundamental no Brasil. Produzido pelo Laboratório de Estudos e Pesquisas em Economia Social (LEPES), o filme explora aspectos políticos, pedagógicos, sociais e emocionais, questionando o distanciamento das metas educacionais. A obra convida à reflexão ao dar voz a diversos atores envolvidos no processo educacional, buscando iluminar os desafios dessa fase crucial da educação básica brasileira.

LANÇAMENTO DE LIVRO

Também no dia 1º de dezembro, às 19h, o Cine Brasília recebe o lançamento de “Depois da Última Sessão de Cinema”, da editora Autonomia Literária, com o apoio do curso de Audiovisual da UnB. Com 40 entrevistas inéditas, o livro traz uma visão única das histórias recentes do cinema e dos bastidores da criação da Spcine.

Organizado pelos professores Alfredo Manevy e Fábio Maleronka, o livro destaca conversas e histórias de produtores, cineastas, empresários, associações e gestores, abordando a paixão, criatividade e resistência política que permeiam o audiovisual em São Paulo. A obra explora a geografia afetiva que os entrevistados estabelecem com a cidade de São Paulo, abrangendo o cinema, publicidade, televisão, streaming e games. Os depoimentos formam um documentário sobre o boom de produção do audiovisual após a regulação do setor no governo Lula e a criação da Spcine, evidenciando a interação entre políticas nacionais e locais.

Durante o lançamento, acontece uma roda de conversa com participação de Rose May, Pablo Gonçalo, Dácia Ibiapina da Silva, Alvaro Malaguti e Juca Ferreira. Após a roda de conversa, às 21h, haverá a exibição do filme Festa (1989) de Ugo Giorgetti, vencedor do Festival de Gramado em 1989.

O evento é totalmente gratuito e aberto ao público.

SESSÃO ESPECIAL EMBAIXADA DA RÚSSIA

Em parceria com a Embaixada da Rússia, o Cine Brasília exibe em sessão única o filme Khitrova O Signo dos Quatro. Com direção de Karen Shakhnazarov, a história se passa em Moscou, no ano de 1902, e segue o renomado diretor de teatro Konstantin Stanislavsky em sua busca por inspiração para uma nova peça. Para explorar o lado mais obscuro da cidade, ele conta com a ajuda de Vladimir Gilyarovsky, um especialista nas periferias de Moscou. Juntos, eles mergulham no lendário bairro dos bandidos, Khitrovka, para investigar o assassinato de um misterioso residente local: um sikh indiano com um passado sombrio. O enredo se desenrola enquanto desvendam os segredos e intrigas desse submundo, proporcionando uma narrativa envolvente e cheia de mistério.

A sessão inicia às 19h e é gratuita.

A CINEMATECA É BRASILEIRA

Continua em cartaz a mostra A Cinemateca é Brasileira, em parceria com a Cinemateca Brasileira. O projeto visa compartilhar uma parte expressiva da rica produção audiovisual, apresentando uma seleção de títulos fundamentais para a história do cinema no Brasil. Esta é a primeira vez que a Cinemateca Brasileira realiza uma mostra de seu acervo na capital federal, em colaboração com a Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura.

Esta última semana conta as exibições de 10 longas: Carnaval Atlântida (1952), de José Carlos Burle, À Meia-Noite Levarei Sua Alma (1964), de José Mujica Marins, São Paulo: A Sinfonia da Metrópole (1929), de Rodolfo Lusting e Adalberto Kemeny, Bacurau (2019), de Juliano Dornelles e Kleber Mendonça Filho, Cabra Marcado pra Morrer (1984), de Eduardo Coutinho, Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964), de Glauber Rocha, Limite (1931), de Mário Peixoto, O Bandido da Luz Vermelha (1968), de Rogério Sganzerla, Central do Brasil (1998), de Walter Salles, e Dona Flor e Seus Dois Maridos (1979), de Bruno Barreto.

Todas as sessões da mostra são gratuitas.

EM CARTAZ

A animação Trolls 3 – Juntos Novamente continua em cartaz no Cine. Nessa terceira produção da saga, Poppy e Tronco, agora um casal, embarcam em uma emocionante jornada quando o passado secreto de Tronco é revelado. As sessões de Trolls 3 iniciam sempre às 10h, com exceção de segunda, quando não há exibição, e contam com com recursos de acessibilidade de libras, legendas e audiodescrição através do aplicativo Mobi LOAD.

Os ingressos para as sessões regulares no Cine Brasília custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia), com exceção das segundas-feiras, que tem entrada no valor único de R$5, e podem ser adquiridos na bilheteria do cinema ou no SITE.

FESTIVAL DE BRASÍLIA

De 6 a 8 de dezembro o Cine Brasília estará fechado para a pré-produção do 56º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, que acontece de 9 a 16 de dezembro. Mais informações no site festcinebrasilia.com.br.

SERVIÇO – CINE BRASÍLIA
Endereço: Asa Sul Entrequadra Sul 106/107 – Brasília, DF, 70345-400.
Informações pelo WhatSApp: 61 99878-2198 ou contato.cinebrasilia@gmail.com
Ingressos à venda na bilheteria ou pelo link: ingresso.com/cinema/cine-brasilia

 

Precisa de ajuda?