Search

Dia 19 tem sessão especial e GRATUITA do clássico Deus e o Diabo na Terra do Sol, de Glauber Rocha, em versão restaurada em 4K.  Antes da exibição do longa tem debate com Lino Meireles, Paloma Rocha e Míriam Silvestre.

Os filmes Corpolítica, Urubus e Super Mario Bros – O Filme possuem acessibilidade de legendas, libras e audiodescrição através do aplicativo Mobi LOAD.

 

ESTREIAS CINE BRASÍLIA

Obra incontestável pela relevância e por tudo o que ele significa para o cinema brasileiro Deus e o Diabo na Terra do Sol ganhou versão restaurada em 4K pela união de esforços do produtor Lino Meireles e da diretora Paloma Rocha, filha de Glauber Rocha. A nova versão do filme teve sua estreia mundial, em 2022, na seção Cannes Classics, na 74ª edição do Festival de Cannes. Curiosamente, Deus e o Diabo havia estreado mundialmente em 1964 na mostra competitiva do mesmo festival. É o segundo longa-metragem de Glauber, realizado dois anos depois de Barravento. Mas é Deus e o Diabo a obra que marca o apogeu do Cinema Novo, movimento inaugurado ainda nos anos 50, que marca a entrada do cinema brasileiro em sua fase adulta e moderna.

O Cinema Novo de Glauber revolucionou a herança do neorrealismo italiano que, sem dúvida, marcou profundamente filmes como Rio 40º (1955) e Rio Zona Norte (1957), ambos de Nelson Pereira dos Santos, pioneiro do movimento. Deus e o Diabo é uma criação barroca, terceiro-mundista, com influências da Nouvelle Vague francesa, especialmente Godard, da vanguarda russa de Eisenstein, da literatura de cordel, do documentário social, do teatro simbolista e ainda do faroeste. É ver para crer. Glauber foi o apóstolo principal desta segunda etapa do Cinema Novo, manifestada em todos os seus filmes posteriores, assim como em seus escritos. Tinha o dom da polêmica e gostava de dizer que era partidário de “uma cultura em transe”, definição que vinha ao encontro de seu filme Terra em Transe, rodado em 1967.  Enfim, a projeção de Deus e o Diabo na Terra do Sol é uma oportunidade para não se perder.

A sessão especial do filme marca as celebrações da Semana do Cinema Brasileiro e tem ENTRADA GRATUITA, por ordem de chegada. Antes do filme, haverá um debate com o tema “Deus e o Diabo na Terra do Sol: o que uma restauração proporciona” com o produtor da restauração e diretor do documentário Candango: Memórias do Festival, Lino Meireles; da  cineasta Paloma Rocha que, além da direção de inúmeros curtas e longas-metragens, vem trabalhando incansavelmente na recuperação e divulgação do acervo de Glauber Rocha e  dirigiu todo o processo de restauração do filme e Míriam Silvestre, doutora em História, criadora e professora do curso “O Cinema Brasileiro e sua História”.

No ano que marca a retomada dos investimentos no audiovisual com a recriação do Ministério da Cultura (@MinC), a ministra Margareth Menezes e a secretária do Audiovisual, Joelma Gonzaga, irão celebrar o Dia do Cinema Brasileiro na exibição especial da cópia restaurada em 4K de “Deus e o Diabo na Terra do Sol”.

Outra estreia da semana é Bem-Vindos de Novo, de Marcos Yoshi, sobre a saga dos dekasseguis, descendentes japoneses que têm a entrada facilitada na “terra do sol nascente” para atuar na linha de produção de diversas fábricas. Apesar das condições precárias de trabalho e da carga horária excessiva, diversos brasileiros com traços asiáticos embarcam nessa jornada por um salário maior do que recebiam no Brasil. Bem-Vindos de Novo é um filme simples, mas que traz questões muito importantes sobre identidade e pertencimento. O documentário acompanha a reconexão entre o casal descendente de japoneses Yayoko e Roberto Yoshisaki e seus 3 filhos, que foram deixados aos cuidados dos avós por 13 anos, enquanto os pais trabalhavam no Japão. A complexa reconstrução afetiva familiar é documentada pelo filho, o diretor Marcos Yoshi.

Yoshi utiliza imagens antigas para criar empatia com os espectadores São vídeos e fotografias da sua família em períodos de férias. Ele narra que os pais tinham uma loja de cosméticos em Cidade do Leste no auge do plano real. Trabalhavam muito e prosperaram financeiramente. Quando Marcos e suas duas irmãs eram adolescentes, sem que ele entendesse bem os motivos, os pais decidiram migrar para o Japão, deixando os filhos aos cuidados dos avós. O plano era juntar dinheiro, trabalhando em fábricas, e retornar ao Brasil depois de dois anos. Ficaram treze anos longe dos filhos. Quando voltaram, o filho já estava formado em cinema. Ele filma o reencontro e a reaproximação familiar.

As filmagens mostram a vida íntima dessa família que tenta se refazer. Os pais, mais uma vez, entram em uma rotina na qual trabalham muito, dessa vez em um restaurante de hotel. Pais e filhos se reencontram em cidades brasileiras diferentes. Há sempre deslocamento, trabalho e sacrifício familiar. Marcos encontra fotos dos avós junto a outros imigrantes japoneses trabalhando no campo, em terras brasileiras. Marcos e suas irmãs também passaram um tempo no Japão para ajudar com os gastos que o pai teve com seus problemas de saúde. As irmãs relembram suas experiências ruins, relacionadas ao excesso de trabalho. Bem-vindos de Novo é um filme informativo sobre uma situação dramática e desconhecida pela maioria dos brasileiros.

Urubus, de Claudio Borrelli, é outra novidade da programação. O longa fictício é baseado em fatos reais e retrata o movimento da pixação na cidade de São Paulo. O filme mostra como funcionam os códigos de conduta que regem a estrutura do movimento pixo e sua dinâmica na cidade, revelando como esses jovens transitam entre a periferia e o centro, e como o ato de pixar questiona os limites usuais entre arte e política. O filme possui os recursos de acessibilidade legendas, audiodescrição e janela de Libras através do aplicativo MobiLOAD.

 

EM CARTAZ

Permanece em cartaz EO, do grande diretor polonês Jerzy Skolimowski, e o documentário Corpolítica, de Pedro Henrique França. EO tem sido uma das estreias mais celebradas do ano. O filme é uma homenagem do cineasta polonês a um clássico do cinema francês “Au Hasard Balthazar”, do extraordinário Robert Bresson.

EO é um burrico cinza de olhos melancólicos. Na sua jornada ele conhece pessoas boas e más: após deixar o circo, percorre Polônia e Itália, experimenta alegria e dor, transforma sua sorte em desastre e seu desespero em uma inesperada felicidade. Mas nem por um momento perde sua inocência.

Ainda em cartaz, Corpolítica, documentário oportuno e relevante, acompanha as candidaturas de quatro pessoas LGBTQIA+ às eleições de 2020. São personagens do filme a vereadora de São Paulo Erika Hilton (Psol), a então candidata a vereadora pelo Rio de Janeiro Andreá Bak (Psol), a vereadora do Rio de Janeiro, Monica Benício (Psol) e o candidato a vereador por São Paulo, William de Lucca (PT). O filme possui os recursos de acessibilidade legendas, audiodescrição e janela de Libras através do aplicativo MobiLOAD.

Para o diretor Pedro Henrique França, é necessário continuar discutindo sobre a presença dos corpos LGBTQIA+ nas estruturas de poder. “Nenhuma lei, das poucas e muito recentes leis de proteção e direitos à população LGBTQIA+, saiu até hoje do Congresso Nacional. Tudo o que tivemos veio do Judiciário por omissão do legislativo. Representamos hoje, mesmo com uma sensação de progresso, apenas 0,16% dos cargos eletivos brasileiros. Corpolítica quer trazer esse debate para a sociedade, despertar novos corpos a entenderem que é a partir da política que faremos as mudanças necessárias e fazer um chamamento à diversidade na prática, para além do discurso.

 

PARA CRIANÇAS

A sessão infantil do Cine Brasília exibe Super Mario Bros – O Filme, animação de grande sucesso, dirigida por Aaron Horvath e Michel Jelenic. O longa é uma adaptação da série de videogames Super Mario Bros. O filme possui os recursos de acessibilidade legendas, audiodescrição e janela de Libras através do aplicativo MobiLOAD.

 

SELEÇÃO DE CURTAS CINE BRASÍLIA

O delicioso curta-metragem Sideral, de  Carlos Segundo, se passa na Base Aérea de Natal. O Brasil se prepara para lançar o primeiro foguete tripulado para o espaço. Este dia histórico afeta a vida de Marcela, Marcos e seus dois filhos. Ela é faxineira e ele, mecânico, mas ela sonha com outros horizontes. O curta será exibido na mesma sessão do longa Bem-Vindos de Novo, seguindo com o compromisso de semanalmente exibir um filme da Seleção de Curta-metragem da Chamada Pública do Cine Brasília acompanhando um longa programado.

 

PROGRAMAÇÃO

QUINTA-FEIRA (15/06/2023)
10h00 – Super Mario Bros – o Filme
14h00 – Sideral (curta) + Bem-Vindos de Novo
16h30 – Corpolítica
19h00 – Em Meu Nome (FESTIVAL LGBTQIA+)
21h00 – Meu Lugar no Mundo (FESTIVAL LGBTQIA+)

SEXTA-FEIRA (16/06/2023)
10h00 – Super Mario Bros – o Filme
14h00 – Sideral (curta) + Bem-Vindos de Novo
16h30 – Corpolítica
18h40 – Urubus
21h00 – EO

SÁBADO (17/06/2023)
10h00 – Super Mario Bros – o Filme
14h00 – Sideral (curta) + Bem-Vindos de Novo
16h30 – Corpolítica
18h40 – Urubus
21h00 –  EO

DOMINGO (18/06/2023)
10h00 – Super Mario Bros – o Filme
14h00 – Sideral (curta) + Bem-Vindos de Novo
16h30 – Corpolítica
18h40 – Urubus
21h00 – EO

SEGUNDA-FEIRA (19/06/2023)
14h00 – Sideral (curta) + Bem-Vindos de Novo
16h30 – Corpolítica
19h00 – Deus e o Diabo na Terra do Sol + Debate

TERÇA-FEIRA (20/06/2023)
10h00 – Super Mario Bros – o Filme
14h00 – Sideral (curta) + Bem-Vindos de Novo
16h30 – Corpolítica
18h40 – Urubus
21h00 – EO

QUARTA-FEIRA (21/06/2023)
10h00 – Super Mario Bros – o Filme
14h00 – Sideral (curta) + Bem-Vindos de Novo
16h30 – Corpolítica
18h40 – Urubus
21h00 – EO

Curtiu a programação?  Acompanhe os horários no site e aproveite para assistir importantes obras do audiovisual ao longo da semana. Desde 2022, a casa do cinema brasileiro possui uma nova gestão compartilhada entre a OSC Box Cultural e a Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal. O espaço cultural segue sob a direção geral de Sara Rocha e curadoria de Sérgio Moriconi.

📲 Siga o Cine Brasília no Instagram.

 

Precisa de ajuda?