Search

Diretor de filmes aclamados pela crítica, como Bacurau, Aquarius e O Som ao Redor, o cineasta pernambucano desembarca no DF para divulgar sua nova obra.

 

O Cine Brasília recebe no próximo domingo, dia 20, a pré-estreia da mais nova obra do diretor pernambucano Kleber Mendonça Filho. Produzido durante sete anos, o documentário Retratos Fantasmas é ambientado no coração do Recife ao longo do século XX e traz à vida a história rica e multifacetada da cidade por meio de imagens de arquivo, fotografias e registros em movimento. A exibição conta com duas sessões, às 18h30 e 21h30, e um debate entre elas com a presença do diretor. O evento é gratuito.

Com uma hora e meia de duração, Retratos Fantasmas convida os espectadores a mergulharem em uma viagem pelas transformações e evoluções do centro da cidade. O filme nos leva através das lentes das salas de cinema à formação dos comportamentos e narrativas culturais recifenses e brasileiras ao longo do tempo. Ele apresenta uma perspectiva única sobre o acelerado desenvolvimento urbano das cidades brasileiras, observado através das transformações em torno de um cinema de rua, registradas a olhos nus da janela da casa do próprio diretor. Através dessa janela, os espectadores são convidados a acompanhar a transformação da cidade, testemunhando o impacto da mudança na paisagem e na vida das pessoas.

Kleber Mendonça Filho dedicou sete anos para a criação deste documentário. O filme se destaca ainda mais por ter marcado o retorno de Mendonça ao Festival de Cannes, após conquistar o Prêmio do Júri em 2019 com “Bacurau”. Retratos Fantasmas já recebeu convites para ser exibido em mais de 30 festivais de cinema internacionais.

 

ESTREIAS DA SEMANA

A programação do Cine Brasília conta ainda com outros seis filmes que estreiam esta semana. O primeiro é Águas do Pastaza, filmado pela cineasta portuguesa Inês T. Alves. O filme surge como um testemunho inesperado e não intencional da jornada da própria diretora pelas águas do rio Pastaza, que serpenteia o Equador e o Peru. Inês viu-se imersa numa jornada de descobertas que revelaram a notável curiosidade e independência das crianças locais. Elas se destacam pela maestria na pesca, habilidades culinárias e domínio artesanal, elementos que, por sua vez, dão vida a este cativante documentário.

Em contraste, Asteroid City, de Wes Anderson,  transporta o público para a atmosfera da década de 1950, situando-se em uma cidade fictícia no deserto dos Estados Unidos. A trama desenrola-se a partir de uma intrigante premissa: uma convenção que reúne alunos e pais em um cenário acadêmico, denominado Junior Stargazer/Space Cadet. Em meio a esse contexto aparentemente comum, desdobram-se eventos de proporções globais que lançam uma ameaça à própria convenção. À medida que a história se desenrola, esses acontecimentos ganham uma magnitude que transcende fronteiras, delineando uma sequência que tem o potencial de alterar irrevogavelmente os rumos do mundo.

Também estreia esta semana o longa Môa, Raiz Afro Mãe, de Gustavo McNair, que narra a notável jornada do Mestre Môa do Katendê, um professor de capoeira, multiartista e compositor brasileiro cuja relevância é fundamental para o tecido cultural da nação. Em 2018, na noite em que a direita autoritária venceu as eleições presidenciais, Môa teve sua vida interrompida por um ato de violência motivado por discordâncias políticas. O documentário no entanto volta-se para as realizações de Môa ao longo de sua vida, suas contribuições artísticas, inspirações e o legado inestimável que ele deixou para um país que ansiava por um modelo a seguir, um mestre em sua essência.

O filme é exibido logo após o curta da semana, Ela Mora Logo Ali, dirigido por Fabiano Tertuliano de Barros e Rafael Rogante, selecionado na Chamada Pública do Cine Brasília. A trama concentra-se nas lutas cotidianas de dona Nininha, que enfrenta desafios incessantes para garantir sua sobrevivência e criar seu filho com deficiência, tudo isso por conta própria.

Outra estreia da semana, Infinitas Terras, de Cauê Brandão, traz a história de um quadrinista compelido a confrontar indivíduos e lugares que, por muito tempo, deliberadamente evitou. Sua motivação reside na busca por uma revista em quadrinhos perdida de sua coleção, na esperança de introduzir um pouco de organização em seu cotidiano.

Por fim, EAMI fecha a seleção da semana. Com uma narrativa de uma das mais talentosas cineastas do Paraguai, a obra de Paz Encina narra a jornada do povo originário Ayoreo Totobiegosode. O filme tece uma trama de perdas profundas no Chaco Paraguaio, região que ostenta a triste estatística de deter a maior taxa de desmatamento do globo terrestre. A obra levanta questionamentos sobre dinâmicas coloniais e neocoloniais, abordando com sensibilidade e respeito a experiência dos povos indígenas que foram compelidos a abandonar suas terras tradicionais.

Os filmes Môa, Raiz Afro Mãe e Asteroid City possuem recursos de acessibilidade de libras, legendas e audiodescrição através do aplicativo Mobi LOAD.

 

VISIBILIDADE LÉSBICA

Em comemoração ao Dia Nacional do Orgulho Lésbico e Sapatão, no próximo sábado, 19 de agosto, o Cine Brasília abraça um evento especial que destaca e celebra a contribuição histórica das lésbicas e sapatões para a luta pelos direitos e pela visibilidade da comunidade LGBTQIA+. As atividades iniciam às 16h44 com uma oficina de zine seguida de um “varal sapatão”, às 18h.

Logo após, às 20h30, tem a exibição de Ferro’s Bar, dirigido por Aline A. Assis, Fernanda Elias, Nayla Guerra e Rita Quadros. Lançado em 2022, o documentário traz à tona um episódio crucial para o movimento lésbico brasileiro dos anos 1980: o Levante do Ferro’s Bar. Por meio de relatos de  mulheres que frequentavam o icônico Ferro’s Bar, o mini-documentário aborda como esse evento foi fundamental para a transformação das lésbicas de meras figuras noturnas à vanguarda de um movimento político, desafiando a censura e reivindicando sua voz por meio de periódicos como o “ChanacomChana”.

Com classificação indicativa de 14 anos, o média-metragem é um lembrete da resiliência e da força das mulheres lésbicas que se recusaram a ser silenciadas e assumiram um papel ativo na construção de uma sociedade mais igualitária. A exibição é seguida de uma roda de conversa com Janaína Oliveira, Raíla Melo, Aline A. Assis e Alyssa Volpini. Todas as quatro atividades são gratuitas.

 

MOSTRA MARIA COELI

Integra também a programação do Cine Brasília a Mostra Maria Coeli com estreia do documentário JK por dona Sarah. Com duas sessões, às 19h e às 20h, a obra traz uma entrevista de 1989, onde dona Sarah Kubitschek compartilha detalhes vívidos de sua vida ao lado do presidente Juscelino Kubitschek, bem como sua perspectiva sobre a construção monumental de Brasília e a criação do Memorial JK. A entrada é gratuita.

Nascida em Belo Horizonte, Maria Coeli veio para Brasília ainda em 1960. Estudou na Caseb e formou-se em Artes Plásticas na UnB. Além de cineasta, também é professora, poetisa e autora de “História do Núcleo Bandeirante”, “História de Brazlândia”, “Brasília feita por nós”, “Corpo Coletivo”, “Caseb 30 anos”, “Honestino” e “Athayde”, sua obra seu tempo.

 

EXIBIÇÃO ÚNICA

Na segunda-feira, dia 21, às 20h, será projetado o filme Acidente, de Bruno Carboni, que mergulha em uma conexão que surge a partir de um incidente carregado de tensão: uma disputa de trânsito entre Joana, uma ciclista, e Elaine, uma motorista, envolvendo também seu filho Maicon. O filme explora os entrelaços que se formam entre esses personagens em um contexto de animosidade inicial.

 

INGRESSOS

Os ingressos para as sessões regulares no Cine Brasília custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia), com exceção da sessão única do filme Acidente, cujo ingresso custa R$ 5 (valor único), a sessão do Dia do Orgulho Lésbico e Sapatão e a Mostra Maria Coeli, que têm entrada franca. Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do cinema ou no SITE.

 

PROGRAMAÇÃO 17 A 23 DE AGOSTO

QUINTA-FEIRA, 17/08
10h00 — Águas do Pastaza
14h30 — Asteroid City (acessibilidade app Mobi Load)
16h40 — Ela Mora Logo Ali + Môa, Raiz Afro Mãe (acessibilidade app Mobi Load)
19h00 — Infinitas Terras
21h30 — EAMI

SEXTA-FEIRA, 18/08
10h00 — Águas do Pastaza
14h20 — Infinitas Terras
16h40 —  Ela Mora Logo Ali + Môa, Raiz Afro Mãe (acessibilidade app Mobi Load)
19h00 — Asteroid City (acessibilidade app Mobi Load)
21h00 — EAMI

SÁBADO, 19/08
10h00 — Águas do Pastaza
14h00 —Infinitas Terras
16h00 — Ela Mora Logo Ali + Môa, Raiz Afro Mãe (acessibilidade app Mobi Load)
18h15 — Asteroid City (acessibilidade app Mobi Load)
20h30 — Sessão Especial Dia do Orgulho Lésbico e Sapatão – exibição de Ferro’s Bar + debate (Entrada franca)
21h20 — EAMI

DOMINGO, 20/08
10h00 — Águas do Pastaza
14h00 — Infinitas Terras
16h00 — Ela Mora Logo Ali + Môa, Raiz Afro Mãe (acessibilidade app Mobi Load)
18h30 — Pré-estreia – Retratos Fantasmas + Debate
21h30 — Pré-estreia – Retratos Fantasmas 

SEGUNDA-FEIRA, 21/08
18h00 — O Espaço Infinito
20h00 — Acidente

TERÇA-FEIRA, 22/08
10h00 — Águas do Pastaza
14h20 — Infinitas Terras
16h40 — Ela Mora Logo Ali + Môa, Raiz Afro Mãe (acessibilidade app Mobi Load)
19h00 — Mostra Maria Coeli – JK por Dona Sarah (Entrada franca)
21h00 — EAMI

QUARTA-FEIRA, 23/08
10h00 — Águas do Pastaza
14h20 — Infinitas Terras
16h40 — Ela Mora Logo Ali + Môa, Raiz Afro Mãe (acessibilidade app Mobi Load)
19h00 — Asteroid City
21h00 — EAMI

 

SERVIÇO – CINE BRASÍLIA
Endereço: Asa Sul Entrequadra Sul 106/107 – Brasília, DF, 70345-400.
Informações pelo WhatSApp: 61 99878-2198 ou contato.cinebrasilia@gmail.com
Ingressos à venda na bilheteria ou pelo link: ingresso.com/cinema/cine-brasilia

 

Curtiu a programação?  Acompanhe os horários no site e aproveite para assistir importantes obras do audiovisual ao longo da semana. Desde 2022, a casa do cinema brasileiro possui uma nova gestão compartilhada entre a OSC Box Cultural e a Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal. O espaço cultural segue sob a direção geral de Sara Rocha e curadoria de Sérgio Moriconi.

📲 Siga o Cine Brasília no Instagram.

 

 

Precisa de ajuda?